É mais comum do que parece ser. Você cria uma logo bonita, dá um bom nome, cria um conceito de marca inovador e tira o seu grande projeto do papel! O próximo passo? Vender, lucrar, faturar e aumentar a empresa à partir dele! Logo, com o produto em mãos você vai bater na porta dos seus potenciais compradores, as pessoas que você desenhou na parede, colou posts its, deu nomes e bradou em alto bom som: “este é o meu público alvo, eles vão amar meu produto, vou vender muito!”.

O cenário ideal

Você começa divulgando para seus familiares e amigos que parecem se encaixar neste “público-alvo”. Eles retorcem a cara quando você apresenta, parabenizem pela iniciativa mas não tiram um tostão do bolso pelo produto. Você, ainda animado pela sua grande “obra de arte”, insiste e liga para outros conhecidos. Até que depois de tanto insistir e de ligar para aqueles tipos de parentes que você só vê no Natal, finalmente alguém compra!

Agora sim, depois dessa compra sua motivação salta do nível 100 ao nível 99999 e você se julga capaz de começar a vender para os desconhecidos. Logo você prepara o seu time de vendas, monta um plano incrível e , semanas depois de que a equipe está executando milimetricamente o plano. Você olha a planilha com os resultados das vendas e toma um susto. O plano está bem longe de atingir a meta de vendas planejada.

Preocupado, você reune toda a equipe na sala de reunião e começa bravo o seu discurso sobre como eles não estão se empenhando, como devem agir como águias, leões e qualquer outro tipo de animal que não mede esforços para conquistar sua presa. É neste momento que, um dos vendedores, (leia-se um corajoso) interrompe sua fala com uma uma frase dura: “as pessoas simplesmente não entendem o nosso produto”.

A verdade que você pode ouvir antes ou depois de quebrar

Montar um time de vendas, investir em propaganda e nas fórmulas mais inovadores de marketing não é suficiente quando o seu negócio não tem uma proposta clara de valor, que atenda de fato as necessidades de um mercado. Não ter esta proposta clara vai afastar os seus potenciais compradores e leva o seu negócio cada vez mais perto da falência completa.

Se o próprio publico que você achou que iria comprar , não entende afinal o que o seu produto faz, quem é que vai comprar então?

Os 3 sinais de que você está desenvolvendo um produto que as pessoas não vão entender (e que também não vão comprar)

Vamos analisar agora alguns sinais rápidos que definem que o seu produto pode até atrair a atenção de algumas pessoas, mas que essa atenção não é suficiente para criar um negócio sustentavam através da comercialização do mesmo .

#1 – Suas taxas de conversão são muito baixas

Tanto no mundo de produto digitais quanto no mundo dos produtos físicos, é possível mensurar sua taxa de conversão a partir de uma matemática simples: A quantidade de pessoas que é exposta ao seu produto Dividida pela quantidade de pessoas que de fato compram o seu produto.

Seguindo esta lógica você consegue criar projeções mais reais sobre o quanto você precisa investir e o quanto você precisa vender para atingir um ponto de equilíbrio e posteriormente gerar lucro. Se muitas pessoas visitam a sua loja, olham o seu produto e não compram, este é um sinal de que duas coisas podem estar erradas:

  1. O seu produto não vai ao encontro, de maneira clara, com uma dor ou desejo deste público
  2. O público que visita a sua loja não é o seu público comprador alvo.

 

#2 – Você não consegue explicar o seu produto/serviço em uma frase

Acredite, todo o produto que faz sucesso e gera lucro real para uma empresa é extremamente simples de ser explicado. Tão simples que pode ser resumido em uma frase, ou no máximo duas. Se você passar disso tenha certeza que o seu produto não será compreendido e da maneira correta.

Vivemos em um mundo onde tudo e todos estão brigando pela atenção das pessoas. Se o seu produto não for simples de ser explicado, você terá que competir com a atenção de mil outras coisas que passam na frente do seu público para que ele lembre de você. É neste ponto de que temos a ilusão de que nosso produto é “genial” e “especial”. As pessoas são assediadas por vendedores todos os dias, o tempo todo, é importante ter uma mensagem clara de qual benefício você oferece para marcar de vez a mente do consumidor a mensagem sobre o que você é qual problema dele você pode resolver.

#3 – Você não resolve uma dor suficientemente grande para chamar a atenção deles

Para quem vem das áreas de administração de negócios esse é um elemento fundamental mas para quem empreende vindo de outras áreas pode não parecer tão simples assim. Uma dor grande, que chame a atenção significa diretamente um mercado grande, que possui diversos tipos de atores, onde o dinheiro já circula na mão de pessoas que tem um problema para a mão de pessoas que tem uma solução. 

Não vamos pensar neste momento na concorrência, mas sim na viabilidade de existirem pessoas lá fora com dinheiro na carteira, prontas para comprar o seu produto. Quanto menor é a pesquisa der mercado, mais chances você tem de desenvolver um produto/serviço em um mercado pouco, ou nada desenvolvido, onde as pessoas ainda não estão preparadas para comprar de você. Se elas ainda não estão preparadas você tem duas opções: mudar seu produto para que ele definitivamente resolva uma dor maior dentro de um mercado ou aguardar para que esta dor fique tão grande no futuro ao ponto de que o seu produto venha a resolve-la.

O último cenário pode parecer vantajoso “vou esperar e sair na frente daqui 1 ano ou 2, ser o número 1 e conquistar todo o mercado”, mas, como de costume, seus custos fixos podem sufocar você antes mesmo deste 1 ano chegar.

Se você não resolve uma dor grande, independente da atenção que você tiver, as pessoas não irão comprar de você. E muitos negócios falham nesta etapa, pois criam produtos ou serviços bonitos e úteis para seus fundadores mas que não resolve um problema real no dia a dia das pessoas.

“Acertar a mão” é mais simples do que parece pois quando você acerta na resolução da dor, os clientes imploram para comprar de você. E não só comprar como voltam a comprar e divulgam sua marca para os amigos que possuem problemas em comum, que podem ser resolvidos com o seu produto .